Home Office: Uma Opção Real Para Profissionais e Empresas

Conciliar trabalho, família e todos os outros compromissos da vida já é um grande desafio. Imagine se somarmos a isso, horas extras, estudos, trânsito, filas e custos adicionais como refeições fora de casa, transporte e despesas para contratar terceiros para cuidar de nossa casa e família.

E quando perguntam a você sobre qualidade de vida, você pergunta de volta “o que é isso?”

Mas aí você lembra que tem contas para pagar e segue trabalhando no ritmo que o mercado determina. O tempo para família, amigos, esportes, lazer e outros interesses pessoais vai ficando cada vez mais escasso.

A questão fica mais grave quando continuamos nesse ritmo por anos e anos e, sinais de estresse, cansaço, problemas de saúde e outros, começam a nos avisar que não iremos longe se continuarmos assim.

E, mesmo se nosso corpo consiga se adaptar a esse ritmo, começamos a perceber que estamos abdicando de coisas importantes da nossa vida, como conviver mais de perto com família e amigos, praticar esportes, ler, viajar ou quaisquer atividades que nos dê satisfação.

E a eterna questão de tentar equilibrar trabalho, família e assuntos pessoais continua, como uma briga de cão, gato e rato – enchendo os consultórios de médicos, psicólogos, psiquiatras e outras especialidades para amenizar nossos dias de luta…

Se observarmos ao nosso redor, provavelmente veremos que a grande maioria das pessoas vive nesse ritmo frenético. Não é algo exclusivo de um grupo de pessoas, mas algo que se impregnou em toda sociedade, no mundo inteiro. É uma idolatria ao trabalho, à competitividade e aos fatores econômicos, em detrimento da qualidade de vida das pessoas e até mesmo, da qualidade de vida do planeta (a séria questão do aquecimento global não nos deixa mentir).

Ou seja, se pararmos para pensar, ficamos nos perguntando o por quê o homem não utiliza toda a tecnologia que desenvolveu em seu benefício próprio, reduzindo o tempo de trabalho de todos.

Um novo modelo baseado na simultaneidade entre trabalho, estudo e lazer, é o assunto do  livro “O Ócio Criativo” de Domenico De Masi, sociólogo italiano contemporâneo, onde ele propõe um modelo no qual os indivíduos são educados a privilegiar a satisfação de necessidades, como a amizade, o amor, as atividades lúdicas e a convivência.

Mas será que tudo isso é só uma teoria?

A grande nova é que não é somente uma tendência, mas já é uma prática em vários países. Se você fizer uma rápida pesquisa com o termo “Home Office” em sites americanos, você ficará surpreso com a quantidade de informações e oportunidades para as pessoas que querem por opção, trabalhar em casa.

E no Brasil? Será que essa tendência demorará a chegar?

Em um recente estudo que participei, qual não foi minha surpresa, que esse assunto estava sendo praticado por mais pessoas do que em um primeiro momento imaginava.

Conheci a história do casal André e Marina Brik que são empreendedores Home Office há mais de 10 anos e especialistas desse tema no Brasil. Com diversas entrevistas realizadas pela mídia e livros publicados, o casal conta diversos cases de sucesso. Tem até um termo que se refere aos profissionais que trabalham em casa: Home Officers!

Bem, a prática de Home Office no Brasil, embora no começo, me lembra uma questão respondida por um especialista de tecnologia em uma palestra que participei. Perguntei a ele na época, se toda aquele tendência que ele falava sobre uma nova tecnologia, chegaria logo ao Brasil. E ele me respondeu: “o Brasil convive com vários “Brasis”. Tem uma parte do Brasil que já aderiu a essa nova tecnologia e, daqui a pouco, a 2ª onda adere, e depois a 3ª onda e assim por diante. Convivemos com várias tecnologias simultaneamente”.

Com base nos vários “Brasis” que observamos em todas os segmentos de mercado, concluo que trabalhar em casa – com menos trânsito, com mais tempo para os filhos, mais qualidade de vida e fazendo o que se gosta – é só uma questão de aderir ou não. Para quem tem interesse em se aprofundar no assunto, recomendo o Curso Completo Home Office, do casal Brik.

Trabalhar em casa já é uma opção real para desenvolver uma carreira profissional: é uma questão de escolha. Ou seja, é possível você começar hoje ou entrar na próxima onda.

A decisão é somente sua!

Textos, fotos, artes e vídeos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do site em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia e por escrito.

diagnóstico e consultoria

Diagnóstico de Marketing para Novos Mercados

Visão Geral do Diagnóstico de Marketing

A seguir você encontrará um check-list para o diagnóstico de sua empresa na identificação de novos mercados.`

O processo consiste em 4 etapas, cada uma, subdividida em vários itens. As etapas são:

  • Identificação dos mercados prioritários
  • Análise e diagnóstico do mercado
  • Desenvolvimento da estratégia
  • Planejamento

 

Mercados Prioritários

O critério de priorização e seleção dos mercados dependem de uma análise mais detalhada.

Esta atividade é fundamental e irá selecionar os mercados a nível “país”.

Etapa de abertura da seleção do mercado: o processo de priorização do mercado visa, através de uma longa lista, avaliar e comparar os potenciais dos mercados.

Fase de implementação: “nova” seleção de mercado.

 

Critérios a Serem Avaliados

  • Abertura dos mercados
  • Identificação de intervenções ou interconexão com mercados existentes à medida que cresce a compreensão das restrições do mercado
  • Novos mercados, incluindo os mercados transversais
  • Redução da pobreza
  • Potencial de crescimento que surgiram e/ou mudaram de forma substancial

 

A Seleção de Mercado Envolve a Avaliação Potencial de 4 Etapas

  1. Potencial de redução da pobreza: se os mercados são relevantes e têm potencial de redução de um grande número de pessoas de baixa renda
  2. Restrições e oportunidades para o crescimento do mercado: critérios para avaliar o potencial dos mercados para gerar crescimento de renda e/ou acesso a produtos e serviços. Trata-se de analisar as principais tendências das oportunidades e restrições do crescimento e acesso
  3. Viabilidade de intervenção: critérios para avaliar a viabilidade de estimular as mudanças. Entender a natureza da mudança sistêmica e quais são os possíveis agentes dessa mudança
  4. Esforços de desenvolvimento (sinergias potenciais): critérios para avaliar os esforços de desenvolvimento existentes ou planejados pelo governo nacional/regional e possíveis parceiros e patrocinadores

 

Principais Considerações

Fase inicial: abertura da seleção do mercado:

  • Alcançar um acordo sobre a lista longa e os critérios de priorização
  • Alcançar um acordo sobre a respectiva “ponderação” entre as 4 categorias
  • Utilização do conhecimento já disponível versus a necessidade de investigação e consulta
  • Assegurar a compreensão dos respectivos mercados, suficientemente equilibrada, com base em dados qualitativos e quantitativos

Fase de implementação: nova seleção de mercado:

  • Estabelecer um processo de tomada de decisão transparente. Identificação, priorização e seleção de mercados novos e/ou interligados

Produto-chave: relatório de priorização e apresentação ao grupo diretor de nível-país resumindo a análise e os fundamentos para a identificação/priorização do mercado e acordo aprovado.

 

Sistema de Análise de Mercado, Diagnóstico e Desenvolvimento de Estratégias

Para cada mercado selecionado, é necessária uma análise aprofundada para identificar e entender as causas das desvantagens da pobreza e como poderia ajudar a estimular a sustentabilidade sistêmica.

Mudanças que abordam essas causas-raiz. Isso leva ao diagnóstico de marketing e análise de mercado para aqueles componentes do mercado – sistemas de mercado – onde são encontradas restrições para os pobres (por exemplo, do mercado do milho aos sistemas de serviços financeiros) e, em seguida, as oportunidades sob práticas e modelos de negócios que possam oferecer soluções sustentáveis para essas restrições.

Trabalhar com empresas individuais e desenvolver modelos de negócios é um “meio para um fim” não o “fim” em si.

Este é um processo contínuo e interativo que estará constantemente sendo aprofundando visando melhorar as análises e recomendações. No primeiro caso, no entanto, deve consistir em 3 etapas fundamentais:

  1. Mapeamento do mercado: mapeamento da estrutura, dinâmica e principais stakeholders no mercado
  2. Compreender as restrições sistêmicas: identificar os constrangimentos aos pobres e suas causas-raiz
  3. Identificar o(s) ponto(s) de alavancagem da inovação: identificar os catalisadores para a mudança e inclusão da população mais pobre

 

Principais Considerações

  • Manter a propriedade e a supervisão sobre a análise inicial e contínua do mercado. Como processo interativo, a análise e a compreensão dos mercados devem ser lideradas  por equipe dos países “core”. Quando especialistas externos são utilizados, continua a ser crítico que essas análises sejam supervisionadas, orientadas e treinadas pela equipe principal, de forma a garantir que o conhecimento (tanto tácito como explícito) seja captado pela equipe e que consultores externos
  • Capturar e manter a compreensão do mercado atualizada requer que as equipes dos países
    “core” tenham recursos adequados para gestão do conhecimento
  • A interação directa com os agentes/empresas do mercado durante a análise de mercado será um dos pontos de identificação dos de alavancagem e potenciais parcerias. Em alguns casos, o piloto e/ou intervenções exploratórias (isto é, pesquisa-ação) podem ser consideradas como uma análise de mercado e diagnóstico completo. Em outros, será necessária a contratação de uma consultoria de marketing

 

Veja também o vídeo abaixo:

 

Conheça aqui, MarketingBiz (www.marketingbiz.com.br)